Arquivo

Archive for junho \29\UTC 2009

Um ano de blog!

Iuupi! Um ano de blog, obrigado pelos que visitam e leem minhas mensagens que escrevo com muuuito carinho e respeito para com voces!!!

Categorias:Uncategorized

Adoração em louvor e adoração

O título é complexo, é confuso, mas no desenrolar do texto, você irá entender. Estou hoje, vendo o romper de uma unção maravilhosa em meu viver! E esta unção só foi liberada depois de algumas semanas em que fui me quebrantando, e sendo moldado pelo Espírito. Se quebrantar, é muito mais que se entregar; e ser moldado, é muito mais do que cubrir as falhas e imperfeições. Ao longo de alguns meses, eu escolhi realmente adorar ao Senhor com tudo o que sou, por isso, não posso ser qualquer coisa, preciso ser santificado para que a “adoração-com-tudo-o-que-sou” funcione. Foi um período árduo, foi em uma época em que estava no auge de minha falsa santidade, (é difícil até mesmo de escrever, mas com meu testemunho, sei que você irá começar a fazer o que fiz também) estava criando, toda uma beleza artificial para mim. Não sabia mais a que distancia estava de Deus, pensava estar perto, mas estava tão longe… Não orava mais, cantava por cantar, fechava os olhos e levantava minhas mãos por fazer e até mesmo mentia acerca de algumas coisas (fora da obra) para que meu nome fosse glorificado por onde eu passasse. Eu cantava tanto “Seu reino é de justiça, Rei dos reis, reina sobre nós” mais não permitia que isso acontecesse, pois não dava lugar.

Lembro-me até hoje de uma noite, depois do culto que olhava para minha volta, e só via pecado. Só via escuridão. Um pouco antes, naquela reunião, houve uma conversação desagradável para mim. No dia, eu fiquei arrasado, eu sabia que eu não tinha feito o que fui acusado de ter feito, mas eu fiquei muito envergonhado de tantas acusações. E o Espírito Santo, quando cheguei em casa me fez olhar para o lado e só via pecado e escuridão. Então me lembrei de uma oração feita, por fazer em que eu disse “Deus, mostra-me os meus maus caminhos, minhas motivações erradas para que eu possa me libertar. Não sinto mais sua presença, não vejo seu agir em minha vida, preciso ver o que está acontecendo”. Imediatamente me arrependi, porque vi meus pecados na minha frente. Um deles, era o egocentrismo terrível e assombroso.

Depois daquele dia ainda houve muito tempo de luta para ver o que mais me impedia. E esta unção, que citei no início do texto, só foi liberada, quando abri realmente meu coração para o Espírito Santo agir. Lembro-me de ter escrito no meu caderno: “Está realmente muito difícil, não vejo saída. Amigos virando as costas e saindo. Seguir-te, está muito duro. Mas nem que me custe sonhos pessoais, dinheiro, poder: Nada poderá me separar de Ti”. E comecei a ver, que o motivo da minha adoração na Igreja, no meu secreto, não era Deus, mas sim a própria adoração. O próprio louvor e a adoração era o motivo de eu estar cantando. O meu dançar, era por um prazer humano, não era para Deus. Meu cantar não era para Deus. Minha adoração era para a própria adoração.

Reconheci meu erro, por isto venci. No culto de ontem (Terça-feira, dia 16/06/2009) foi rompido isto, e eu disse que não era pela adoração que estava ali, não era por causa das curas e pelo o que Ele poderia me dar, e sim, para que eu desse a Ele, tudo o que tinha. E não importava minha vida, porque com minha adoração sincera, Deus iria romper e começar algo novo em minha vida.

Começou, hoje recebi uma ligação que me alegrou muito. É o começo de algo novo. E ontem, fui renovado com o dom de línguas que há muito tempo (desde o começo desta “confusão”) foi cessado.

Ser moldado, é mais que ser mudado,

É ser quebrado e feito, de novo.

Difícil é, reconhecer em seu viver

As falhas para isto acontecer.

Igreja é ponto de partida, e não de chegada… Sempre???

Há duas realidades nesta frase que precisamos encarar. Você gostando ou não.

Acompanhei alguns vídeos pela internet deste maravilhoso Congresso, que restaura vidas por completo. Acompanhei momentos maravilhosos deste congresso.

Um dos “melhores momentos” que acompanhei pela internet, foi a ministração da canção “Águas Purificadoras”, que logo do início, na introdução da música eu já senti o Espírito Santo chegar ao meu lado lá no computador. Eu sentado, cantando junto com as pessoas, intensamente foi maravilhoso. O Espírito do Senhor esteve comigo, e Ele recebeu minha adoração. O áudio estava arriado, e só pegaram os microfones da Igreja, os microfones principais como o da líder, cantores e instrumentos talvez não estivessem sendo gravados no momento. Ouvia apenas no fundo, o som ao vivo que estava sendo tocado, e audivelmente a voz das pessoas louvando. De repente a melodia se estendeu e todos pararam de tocar, e a líder ministrou algo. Testificou exatamente com o que ouvia do Espírito naquela hora. Além de o Espírito estar ministrando ao meu coração com uma voz como de muitas águas, e escutava perfeitamente (diferente do vídeo). Ouvi que um dia, pode ser que no começo, um ministério começasse adorando ao Senhor em um templo não maior que aquele (Igreja Batista da Lagoinha; da qual se passava o congresso), com não muitas pessoas. Mas que um dia, começaria o Espírito Santo a dar melodias e letras, e que um dia, essas canções sairiam do templo, a adoração sairia dos templos e invadiria as ruas. Na verdade, não entendi até hoje o que Ana Paula disse naquela hora, apenas escutei, o que o Espírito também me disse. Foi uma confirmação! Pois o que ela disse, não tinha muito a ver com o momento que viria, mas o Espírito a conduziu assim. Creio que não foi só uma confirmação para mim, mas para muitos.

Um momento maravilhoso também, foi após “Águas Purificadoras”, onde oraram de 3 em 3, foi um momento marcante tenho certeza para quem estava lá.

Recebi um e-mail com um vídeo. O vídeo era de Helena Tannure, ministrando a palavra no Congresso, provavelmente em uma manhã ou tarde. A palavra foi poderosa! Muito bom, me abençoou muito. Em uma parte, ela dizia que o louvor não é um entretenimento para a Igreja, o que concordo em parte. O louvor é sim um momento que deve ser alegre para que as pessoas deem o seu tudo para Jesus. Em um show secular, quebra-se o gelo, quando a música alegre começa. Não importa se é no começo, meio ou fim. As pessoas se soltam quando podem pular junto com o grupo ou o cantor. No meio da Igreja, é assim. No começo as pessoas estão tristes, abatidas e desencorajadas. O Espírito Santo conduz a fazer algo diferente todos os cultos. As pessoas se sentem leves e soltas no momento do louvor. Quando as canções começam a “perder” a velocidade, as pessoas começam a se aquietar, e aí sim, adoram verdadeiramente ao Senhor. Muitas pessoas são assim. Temos exceções, mas infelizmente são raras!

O louvor não tem mesmo que ser um momento de entretenimento. Não temos que cantar uma música que está na moda simplesmente porque todos sabem, e todos irão cantar. Ou uma musica alegre porque todos irão dançar.

Agora, entrando no tema: “A Igreja não é ponto de chegada, é ponto de partida”. Resumirei em poucas palavras: Para partir, temos que chegar. Não tem como, partirmos sem chegarmos. Isto no âmbito da Igreja. Não tem como sairmos pelas ruas, pregar o evangelho a toda criatura se não chegamos, e não sabemos como fazer.

Se isto foi explicado no congresso, amém. Mas devemos ter tanto cuidado ao colocar “temas-abertos”, que todos irão conhecer e ler, pois podem distorcer. Sabe, a Igreja em sua diversidade e maldita divisão é ridícula e hipócrita, atenção: A Igreja é do Senhor, mas homens querem fazer do jeito deles, não buscam a direção de Deus em nada, e assim a Igreja cresce em divisão, a igreja em si, tem divisões, e quantas vezes já ouvi: “Ah, o diante do trono não é de Deus não…”; ”Nossa, aquela moça, ninguém merece a ouvir cantar!”; ”Suas músicas são todas, a mesma coisa, não vejo diferença”… Comentários rolam, apesar do congresso já ter terminado há muito tempo. Quem me conhece sabe que amo o DT, mas nem por isso creio na unção dos quatro seres. Idolatria ao homem, é uma maldição, é como se estivéssemos com escamas nos olhos para o pecado do idolatrado. Achamos que essa pessoa é perfeita e não tem erros. Achamos que colocamos Deus em primeiro, mas colocamos em segundo, terceiro ou quarto. Parei um pouco com a internet por isto, o Senhor me levou a um lugar onde só há Ele e eu. Um jardim que só há eu e Ele, você tem esse privilégio? Tudo o que te impede de ver o Senhor: Pecados como idolatria, auto-piedade, inveja, ciúmes… Impedem-te de sentir a Glória de Deus. Vale a pena perder uma refeição, um momento gostoso que nós temos na internet com amigos, para estarmos na presença de Deus. Não vale?

Dúvidas e críticas mandem comentários neste post. Se quiser uma resposta, deixe seu e-mail. See ya!!!

Deus não mora na “Igreja”

Quantas vezes, nós ouvimos a expressão de que o templo de nossa Igreja é o lugar, onde o próprio Deus mora. São incontáveis às vezes, que eu já escutei isso. Todas às vezes, que eu me ajoelhava para orar, era somente na Igreja. Somente me dedicava a escutar a Deus, quando estava no templo. Era uma coisa na qual eu já estava acostumado, da qual eu já “sabia”: Jesus está na Igreja. O Deus todo-poderoso está na Igreja, e é lá que atende aos pedidos dos membros. Somente lá. Quando não pudéssemos ir a Igreja, não podíamos pedir, interceder ou louvar, que Deus não iria receber somente os agradecimentos deviam ser feitos em casa.

São incontáveis às vezes também, em que precisávamos sair dos nossos lares, se gostaríamos de louvar ao Senhor. Ir ao “templo” era uma prioridade. Mesmo hoje, sabendo que estar no templo, estar em comunhão com a Igreja é importante, eu me esforço a estar na igreja todos os cultos, mesmo naqueles em que não canto ou estou à frente de algo. É realmente importante esta comunhão com os irmãos e estar na casa de Deus, no lugar onde Deus manifesta Sua glória e Sua presença. Mas devemos lembrar que Deus não mora na igreja (templo).

Deus, Jesus não está na igreja (templo), devemos zelar é pelo nosso espírito. Pois nada adianta nos encontrarmos, cantarmos, dançarmos, pularmos se nosso espírito está entristecido, mágoas ou qualquer tipo de impedimento. Deus não “mora” nem “habita” dentro do templo. O templo, as “quatro paredes” é muito bom, precisamos ter consciência de que precisamos sim ir a Igreja para alimentarmos nossa alma, aprendendo cada dia mais do Senhor para nossas vidas.

“Vinde a mim aqueles que estão cansados, oprimidos e sobrecarregados, e EU vos aliviarei”. Ordem do Senhor. Mas sabemos que Deus não habita na Igreja. E agora? Aonde Jesus, o Espírito Santo habita? Já que não é no lugar em que nós costumávamos acreditar que Ele estaria…

Está em cada um de nós… Ele escolheu habitar em nós. Abra o seu coração, que Ele pode habitar em você.

Categorias:Estudos
%d blogueiros gostam disto: