Arquivo

Archive for março \29\UTC 2011

Fala comigo pela manhã!

Tudo o que eu escrevo aqui, são coisas que eu aprendo no Espírito, mas não escrevo diretamente como foi o aprendizado daquilo. Hoje, preparei um assunto importante para compartilhar com vocês, dessa vez bem do jeito que tenho vivido.

Como tenho escrito e postado aqui, tenho vivido a liberdade e a simplicidade: O Pai quer que sejamos livres, mesmo, caminhar como homens que já morreram com suas concupiscências, mas ressuscitaram com Cristo na liberdade que Ele mesmo conquistou para nós; O Pai gosta de ver-nos fazendo as coisas simples pra Ele, contar o nosso dia, aquele milagre que Ele mesmo fez… É como um Pai que gosta de sentar na frente do filho e ouvi-lo simplesmente pelo fato de ouvi-lo, só. Existem consequências de viver assim, e uma eu quero alertá-los para que possam conhecer e viver isso também.

Eu sempre tive muita dificuldade em acordar de manhã, ano passado eu estudei o ano inteiro a noite. Sem dúvidas foi a vontade do Pai, não ministrei por um longo período e nesse tempo aprendi mais a ser bênção na vida dos outros e o princípio básico: amor. Como aprendi a amar naquele ano! Mas este ano (2011) o Senhor preparou uma escola de manhã para mim. Como já disse, sempre tive dificuldade em acordar de manhã, de longe era a pior coisa que eu poderia escolher para fazer num dia.

Sem medo de futuramente isso acabar, eu com alegria digo a vocês que Deus está me acordando! Na relação íntima com o meu Pai, eu aprendi a contar com Ele pra muitas coisas, e isso me veio à mente: “Pai, o Senhor é tão perfeito em tudo que faz, acredito que se me acordar não seria tão difícil assim”, e desde então, isso tem acontecido! Uns 15 minutos antes de o despertador gritar, eu sempre acordo. E aí que eu oro, agradeço, e até canto de vez em quando.

Isso é tão pouco, mas como disse: Deus valoriza essas pequenas situações. Se você não faz as pequenas, quanto mais as grandes! A religião aprisiona as pessoas a sofrer tanto pra falar com Deus, a fazer sacrifícios tão grandes… É, tem gente que não conhece o Pai que tem. Você não precisa especificamente de uma religião pra falar com Deus, acredito que se você criar um relacionamento com Ele sem “religião” ou sem ser membro de alguma Igreja, o Pai coloca esse amor no seu coração, e assim será muito, acredite, muito melhor para chegar em um Ministério até mesmo trabalhar para Ele.

Anúncios

Revelação de Jesus na cruz

Feliz é aquele que recebe a revelação pelo Espírito da morte de Jesus na cruz por nós. Nunca, por nós mesmos, conseguiríamos entender, só pelo Espírito. Tudo começa a ficar mais fácil quando cremos no sacrifício dEle, o quão doloroso foi.

Jesus Cristo morreu para nos ligar com o Pai novamente – Ele mesmo, Jesus, nos ensinou a chamar o Pai de Papai – e rasgar o véu. Triste é quem não tem a revelação para entender, re-costurando esse véu! Ele morreu para tivéssemos vida, e a tivéssemos em abundancia. Morreu para curar nossas doenças, livar-nos de todas; para trazer libertação ao cativo; para trazer alegria da liberdade nEle!

Feliz é aquele que recebe essa revelação, porque ele vive para honrar esse Deus. Recebê-la, talvez, é a coisa mais importante da vida de uma pessoa, você não consegue mais ficar indiferente e aceitando viver da maneira que antes vivera. Sua relação com as pessoas muda, você recebe um pouquinho desse amor de Cristo para com seu próximo; Sua relação com Deus muda, não consegue viver paralelo ao querer dEle e não caminha mas segundo as tuas vontades.

Você é feliz? Parte 2

Fazemos as coisas da maneira que acreditamos ser certas. Existem dois extremos: Os que se preocupam extremamente com a excelência e os que fazem de qualquer maneira. Vou tratar dos que se preocupam muito. A preocupação em fazer que tudo saia perfeito, “para Deus”, às vezes atrapalha!

Lembro-me de uma vez, que tínhamos uma decisão a ser tomada. Gostaríamos de fazer daquela forma por ser uma maneira mais excelente, tornaria mais bonito visualmente e para nós. Era o que o Senhor queria! Mas na realidade, a resposta foi: Não! Foi de outra maneira, bem mais simples, e bem mais frutuosa!

Eu mesmo tinha preocupação em fazer grandes coisas para o Pai. Se fosse orar, era com as melhores palavras, daquelas que eu mesmo não entendo. Se fosse cantar, teria de ser a canção com as notas mais altas e uma música gospel. Para mim, Deus não ligava muito para as crianças, elas não conseguem fazer coisas com excelência. Ah, como eu me enganei… Enquanto estava eu ali fazendo e falando tanto, Deus estava se deliciando naquela criança que desenhava pra Ele…

Para mim, a religião era muito mais importante. Estar na Igreja todos os domingos era essencial. Mesmo se fosse para manter uma aparência, era como conseguir manter essa aparência para Deus também… Eu precisava estar participando da congregação aos domingos, eu precisava ser de uma religião, eu precisava viver como as pessoas daquela religião viviam e vivem até hoje. Para mim, Deus não ouvia a oração dos que não iam, como eu, na Sua casa aos domingos. Talvez em algum momento aprendi que quem não era crente, Deus não estava nem aí, eram endemoninhados, eram infelizes e Deus não fazia nada por eles…

Fazer as coisas como adulto era importante: Deus não ligava para coisas de criança. Deus não estava nem aí quando eu cantava, eu dizia que era pra Ele, mas no fundo acreditava que Ele nem ligava pra isso…

A alegria que só tem quem já conhece a Jesus tem quem só conhece a Ele, mesmo. Quem conhece Jesus sabe que Ele gosta quando você escreve pra Ele, Ele gosta quando você canta pra Ele, gosta quando você se importa em inclui-lO nas suas decisões, gosta quando você desenha pra Ele… Ele gosta, acredite. Falar com o Pai e contar como foi seu dia? Ele gosta também! Uma vez eu li “Como uma criança que ensina o Pai uma coisa que ele já sabe”…

Eu sei que vens agora mesmo a escrever sobre meu coração, pra lembrar-me quem Tu és…

VOCÊ É FELIZ? VOCÊ É LIVRE?

Você é crente?
Você ama o Senhor?
Você é feliz?
Nas suas decisões, você é feliz?
No seu emprego, onde ninguém é cristão, você é feliz?
Quando você vai ao shopping e não pode tomar aquele chopp, você é feliz?
Para os mais “crentes”: Você é feliz quando precisa tomar uma decisão e tem que perguntar para o Senhor?
Quando os problemas continuam, você é feliz?
“Você precisa louvar em meio às lutas”, você é feliz?
Você é livre?

O cristão é livre. Nos prendemos a religião e com isso a “alegria e paz que só tem que já conhece a Jesus” não existe. Talvez, até criamos uma falsa para nos contentar-nos! O pastor comanda sua vida.

A religião não permite você beber, você não bebe. A religião não permite você andar com roupas escandalosas, você não anda. A religião não permite você ir à baladas, você não vai… Mas você é feliz?

Eu aprendi uma coisa nesses dias: Sou livre. O problema é que muitos falam dessa liberdade, mas não são. Ser livre é anunciar as boas novas, é ser luz nas trevas, é viver como quem já morreu com Jesus – nossas vontades, nossas emoções, nossos pensamentos, nossos sentimentos… -. É ser amigo de Deus, é respeitar as vontades do Pai.

Ser livre é poder ir a lugares, andar com pessoas que escandaliza a maioria dos crentes, é ter a consciência do Espírito conosco, é ter a sabedoria e a unção para dizer para nossos próximos o tempo todo: Sou feliz e é Jesus que me faz assim. Sou livre!

“Não se assenta a roda dos escarnecedores”, amém, mas “não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pelo vosso entendimento”. Outro dia me convidaram para ir num barzinho, orei tanto, mas tanto para ter uma confirmação de Deus, e Ele permitiu. Deus não vai permitir que você vá a lugares que você pode pecar e a sua luz apagar, mas Ele vai te levar a lugares sujos e escuros para que você seja luz.

Você é livre a luz da Palavra. Você é livre para viver o que Deus tem pra você, da maneira que Ele quer, acredite, é sempre a melhor.

“This little light of mine
I gonna let shine, let shine…”

Esconder debaixo de um esparadrapo? Não, vou deixar brilhar!

Auto-suficiência nas decisões

Quando uma pessoa tem um dom espiritual, não significa de maneira nenhuma que Deus apóie todos seus atos. Dons são dons (I Coríntios 12:7-11). Os dons vêm do Espírito, mas não são os frutos do Espírito (Gl 5:22-23).

Existem entre os cristãos, os que são auto-suficientes nas suas decisões. Pior os líderes que lidam com vidas e são referências – cada um deve ter a consciência e a responsabilidade pela influencia que ela tem, não necessariamente dada por Deus, mas talvez conquistada pelos dons – para seus liderados ou outros, e tem essa auto-suficiência nas suas decisões. Temos a todo instante, decisões a tomar, e desaprendemos em depender do nosso Deus. “Não vamos incomodar Deus com isto, podemos resolver” e nisso, decisões mais importantes são tomadas por nós. Aprendi desde cedo que “o diabo” não pede licença como o Espírito Santo, ele pega as brechas. Então, ligue os pontos, as decisões que não passam pela confirmação do Pai, são influenciadas por demônios interessados em acabar com sua vida.

O que quero destacar também é a auto-suficiência inconsciente. A pessoa que precisa ministrar – aquela imensa responsabilidade nas mãos -. Se for a primeira vez, ela não para de orar, jejua e ora, ora, ora… Recebe do Senhor as músicas ou a Palavra, vai e faz. A auto-suficiência inconsciente ela vem com o tempo, o comodismo é umas das principais, se não a principal, para semear dentro da Igreja de Cristo. Nós passamos a achar que o nosso conhecimento já está bom quando notamos que tudo está no controle, quando tudo agrada a todos pensamos em nós mesmos que está tudo bem e que não é preciso fazer mais aquele grande esforço do início. Caímos e nem sentimos a dor…

Essa auto-suficiência ela é inconsciente porque a desconhecemos. Entretanto, ela existe com a ajuda do cansaço, comodismo e técnica. Técnica? “Eu tenho uma maneira de fazer isto, sempre o faço assim, e dá certo”. As vezes, é tão intensa que pedimos revelações durante o sonho para a ministração de “amanhã”, nos preparamos para dar a mesma palavra daquela última vez que foi do poder, ensaiamos novas firulas aquela música que encheu a congregação do Espírito Santo. Andamos alheios à vontade do Pai.

Escrevo porque vivi, e escrevo porque conheço quem viva. Isso existe. Satanás não quer te tirar da Igreja pastor, ministro, apóstolo ou o que quer que seja. Ele quer te usar – ou continuar a te usar – para acabar com a Igreja de dentro, inconscientemente que seja.

Categorias:Uncategorized
%d blogueiros gostam disto: